Colectiva 11

EN (updating)

PT
Colectiva 11 - "Luciana" 

O desenho de grande formato "Luciana" foi apresentado na exposição colectiva, que celebra o 11º aniversário da Mouraria galeria de arte situada na ilha da Madeira.

O título Luciana remete para o retrato de alguém próximo. As linhas, os lápis de cor e o papel, foram o suporte para a gravação das emoções e dos sentimentos despoletados por essa proximidade.

O desenho como meio de comunicação, de expressão, como veículo de ideias, de pensamentos, como forma de captar o mundo visível, foi um dos suportes para expor essa vontade. As cores, por sua vez, também desempenharam um papel importante em todo o processo, devido aos vários significados que carregam.
Título: "Luciana"
Dimensões: 150 cm X 210 cm
Técnica: Lápis-de-cor sobre papel de cenário colocado em tela
Ano: 2011
Autor: Narciso Ornelas

Pelo desenho é possível expor uma emoção, um sentimento, um espírito de continuidade, uma ligação a alguma coisa, a algum lugar ou alguém. Por entre médio do desenho é possível registar uma memória, um estado de alma, de expressar a vontade em ultrapassar um momento ou barreira difícil. Veja-se como exemplo a obra do artista inglês Michael Landy “Common Groundsel 2” (2002), esta representa toda uma vontade de lutar, de continuar, de ir ao encontro do “eu” através do desenho, na forma da representação gráfica de ervas daninhas. Landy, na sua viagem interior, de modo a expressar o ambiente hostil que o ser humano impõe a si e aos outros, desenhou uma série detalhada de ervas daninhas que encontrou ao acaso nas ruas de Londres. Ervas daninhas que apesar de consideradas invasoras indesejadas conseguem se erguer nos ambientes mais inóspitos. Utilizou-as como a antítese ideal para demonstrar que independentemente das adversidades, o ser humano é sempre capaz de encontrar um caminho para a saída de quase todos os problemas.1

Figura 1: Michael Landy
Dimensões: 89X75 cm
Ano: 2002
Mas se o desenho como forma de expressão é importante o seu complemento é, muitas vezes, a cor. Na obra apresentada “Luciana” a cor complementa e atribui um manancial de significados tão importantes quão determinantes na interpretação da obra. Afinal a cor é tão importante que pode muito bem ser apresentada de forma isolada, como defende Eva Heller “ (…) muitas pessoas têm dificuldades em expressar os seus sentimentos através da linguagem ou da música, mas a maioria pode torná-las visíveis mediante as cores e o seu simbolismo.”2  A obra “Luciana” vive do desenho, da forma e da cor. Partiu do pressuposto impressionista e do estudo do seu único tema, a cor e os seus efeitos mais puros e intensos. É através dela, e dos significados que carrega, que as vontades, que os sentimentos e emoções se materializam. Com a cor é possível enriquecer o desenho e eleva-lo a uma outra dimensão. Porém, contrariamente ao movimento impressionista, nesta obra, a forma não foi relegada para um segundo plano.  

Figura 2
A cor sobre o papel de cenário representa uma função importante no aspecto da comunicação. O cor-de-laranja, o amarelo, o vermelho, o azul e o branco são as cores dominantes. O preto, em forma de linha, decide as fronteiras entre a cor e a forma. Numa tentativa de ligação harmoniosa, são estas cores, o desenho, a forma e a composição, que relatam a viagem interior e o manancial de vivências pessoais. A composição triangular que foi atribuída ao desenho (figura 2) remete para uma cor, o amarelo. A união destes dois elementos representam “ (…) o centro de tudo e que ilumina tudo.”3. O amarelo é a cor dos cabelos das louras que, para os ingleses, representa o belo. É a cor dos cabelos da Luciana. O amarelo representa o sol, o optimismo, a serenidade, é a cor da amabilidade. “O amarelo é divertido, é radiante como um amplo sorriso.”4 Mas, para que o amarelo seja amável, “ (…) precisa sempre do cor-de-laranja e do vermelho ao seu lado. Amarelo-cor-de-laranja-vermelho (figura 3) é a típica tríade do entretenimento e de tudo o que se lhe associa; é a combinação de à o gozo de viver à a actividade, à a energia e à a voz alta.”5

Figura 3: Luciana (pormenor)
O vermelho representa o sangue que sobe à cabeça e faz corar, seja por paixão, excitação, timidez, ou porque alguém se envergonha. “O efeito psicológico e simbólico do sangue faz do vermelho a cor dominante em todos os sentimentos vitalmente positivos. O vermelho, a mais vigorosa das cores, é a cor da força, da vida (…)”6

O cor-de-laranja mostra o verdadeiro carácter de um sentimento, “ (…) pois o cor-de-laranja une os opostos vermelho e amarelo, e reforça o que lhes é comum.”É a cor da sociabilidade e do alegre. A combinação vermelho, cor-de-laranja e o amarelo mais visíveis nos cabelos, representam as cores do fogo,

 “ (…) das chamas e, portanto, as cores do calor. Vermelho e cor-de-laranja são também as cores principais da paixão, do «sangue ardente», pois a paixão pode «arder» e «consumir» como o fogo. O simbolismo do fogo une-se aqui com o do sangue.”8

O cor-de-laranja é complementar do azul. “O azul é a cor do espiritual, da reflexão e da calma, e o seu pólo aposto, o cor-de-laranja, representa as qualidades contrárias.”9 O azul “ (…) é aprazível, passivo e introvertido, é o simbolismo tradicional vinculado à água, atributo, desta forma, do feminino.” Simboliza a cor da fidelidade mas também simboliza a distância. É a cor preferida, é a cor dos olhos da Luciana, é a cor do infinito e da pureza.

As flores no vestido remetem para a primavera, para o verde, para a renovação após um período de carência. Para a esperança. Por sua vez, o grande espaço branco, que envolve o retrato da Luciana, deixa a pureza das cores se evidenciar.

A forma, o desenho, a cor e o figurativo são elementos que se tentam complementar sobre o suporte de papel. Esta união de elementos é a tentativa de espelhar a ideia de emoção, de sentimento, de estado de espírito e de criar uma ligação de proximidade com o público, com o fruidor. A relação com o outro é importante para que exista uma continuidade da obra, não apenas no seu aspecto físico, mas que esta também provoque sentimentos de emoção no fruidor, que deixe um rasto emocional10 no fruidor. Esta relação deve acontecer na galeria, bem como em outros espaços que permitam algum diálogo com a obra e com o artista.

No fundo a obra “Luciana” ambiciona ser a transferência material de um mapa de pensamentos, de sentimentos, de emoções, de vontades e acima de tudo manifestar o desejo de força, esperança e continuidade.


Narciso Ornelas 2012 



1 “Weeds are hardy, thriving in often inhospitable conditions with very little soil, water or direct sunlight. They grow between paving stones or on waste ground in the city, tenaciously asserting themselves despite being overlooked by the majority of passers-by. Landy collected a number of these plants and took them back to his studio where he potted and tended them, making studies of their structures including detailed renderings of roots, leaves and flowers.” Acedido a 15 de Janeiro de 2012, de: http://www.tate.org.uk/servlet/ViewWork?cgroupid=999999961&workid=76689&searchid=9215&tabview
2 HELLER, E. (2009:80)
HELLER, E. (2009:93)
HELLER, E. (2009:86)
HELLER, E. (2009:86)
HELLER, E. (2009:55)
HELLER, E. (2009:181)
HELLER, E. (2009:181)
HELLER, E. (2009:183)
10 “ (…) as emoções são acções acompanhadas por ideias e modos de pensar, os sentimentos emocionais são sobretudo percepções daquilo que o nosso corpo faz durante a emoção, a par das percepções do estado da nossa mente durante o mesmo período de tempo. DAMÁSIO, A. (2010:143)


Referências bibliográficas

DAMÁSIO, A. (2010). O Livro da Consciência: A Construção do Cérebro Consciente. Círculo de Leitores, Portugal.
HELLER, E. (2009). A psicologia das cores: como actuam as cores sobre os sentimentos e a razão. Editorial Gustavo Gili, SL, Portugal.
JOLY, M. (2008). Introdução à análise da Imagem. Arte e comunicação, Portugal.
MASSIRONI, M. (2010). Ver pelo desenho: Aspectos técnicos, cognitivos, comunicativos. Edições 70, Portugal.
PAIXÃO, P.A.H. (2008). Desenho a transparência dos signos. Assírio & Alvim, Lisboa.
SCHWANITZ, D. (2004). Cultura: Tudo o que é preciso saber. Dom Quixote, Porto. 


Leave Your Comments !